David Coverdale – Into the Light | Revista Eletricidade

David Coverdale – Into the Light

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Após todas as especulações e boatos que envolveram seu nome nos últimos meses na Imprensa, David Coverdale volta à ativa e dá um basta aos boatos sobre sua possível participação como vocalista oficial da banda Van Halen, a resposta é “Into The Light”, seu mais recente trabalho lançado via EMI Music.

Esse é terceiro disco de sua carreira solo, depois de mais de 20 anos de estrada com o Whitesnake que encerrou suas atividades em 1997, chegando na época a passar pelo Brasil com a “Last Urrah Tour”.

Coverdale volta agora com fôlego renovado, “Into The Light” aproxima mais o cantor de suas raízes Blues, e é sem dúvida um dos melhores registros sonoros de sua carreira.

Esse novo trabalho pode ser considerado “uma salada musical” de tudo o que o cantor fez até hoje , seja com o Whitesnake, o Deep Purple e no projeto Coverdale/Page, a faixa “The River Song” é um exemplo claro disso, aqui as guitarras parecem querer explodir, Coverdale aposta na mistura Blues e Rock dos anos 70, essa poderia ser tranqüilamente uma música do Deep Puple, o som dos teclados Hammond a la John Lord é inconfundível.

DAVID COVERDALE - INTO THE LIGHTA faixa título começa devagar, abrindo o disco, com uma suave introdução de bateria e teclados que evolui para um poderoso riff de guitarra e já dá uma idéia do que vem pela frente.

Em “Slave”, o cantor “flerta” com Blues, essa música poderia fazer parte do projeto Coverdale/Page, repare na virada da bateria, é bem ao estilo de “Shake My Tree”, isso se deve principalmente ao fato de que Denny Carmassi, baterista Into The Light também trabalhou com Coverdale e Jimmy Page na época.

Coverdale assume seu lado mais romântico em músicas como: “Love is Blind”, faixa que foi escolhida como single de trabalho e “Don’t You Cry”, outra balada que embora não seja a música “carro-chefe” já está pontinha para tocar nas rádios.

Como todo bom álbum de Rock que se preze tem uma regravação aqui “Too Many Tears” cumpre seu papel, originária do álbum “Restless Heart”, nessa versão Coverdale aposta num vocal mais “light”, as guitarras estão mais suaves na linha de “Is This Love?”.

Se em “Too Many Tears” o clima é de romantismo, já em “Don’t Lie To Me”, ocorre o oposto, a voz de Coverdale está mais “heavy” do que nunca, essa faixa relembra os velhos tempos de Whitesnake nos anos 80, as guitarras de Earl Slick e Doug Bassi estão muito inspiradas.

“Living On Love”, uma das músicas mais interessantes e uma das melhores de todo o CD, o clima acústico é inteligentemente sustentado por um slide de guitarras, a música vai crescendo e vira um Rock bem ao estilo de Coverdale.

“Wherever You May Go”, a última faixa do CD, é uma bela balada que irá surpreender muitos fãs do cantor, já que aqui ele divide os vocais com a cantora Linda Rowberry, criando uma atmosfera extremamente agradável.

“Into the Light” acabou de ser lançado nos EUA e por enquanto não há uma data prevista de lançamento para o Brasil.

Atualmente o cantor está ocupado em uma extensa tour de divulgação de “Into The Light” pelo mundo, em recente bate-papo realizado na Internet com os fãs, David declarou que pretende “cair na estrada” com a nova tour em novembro.

Para quem quiser ouvir o CD, ou conferir o videoclipe de “Love is Blind”, é só acessar o site oficial do cantor na internet: whitesnake.com tanto o clipe, quanto algumas músicas do CD já se encontram disponíveis para download, é clicar e boa viagem!

Valéria Maraviglia
@revistaeletricidade

Entre no Facebook e deixe seu comentário: