Robert Plant vai do fundo do baú a Timbuktu em nova coletânea – Revista Eletricidade

Robert Plant vai do fundo do baú a Timbuktu em nova coletânea

Remexidas cuidadosas no baú de artistas que já tem alguns anos de estrada muitas vezes rendem diversos frutos, e bem saborosos, diga-se de passagem; pelo menos é isso o que aconteceu com Robert Plant. O eterno vocalista do Led Zeppelin apresenta agora uma coletânea de raridades de sua carreira solo pinçadas diretamente de seus arquivos.

A grande surpresa, também para os fãs do Led Zeppelin, é que desta vez a pesquisa foi realmente a fundo, trazendo músicas do repertório de Plant em sua fase pré-zepelin, quando ele ainda participava, ao lado de John Bonham e Alexis Korner da lendária Band of Joy.

O CD é duplo e o primeiro disco é composto basicamente de versões alternativas de algumas das melhores faixas da carreira pós-Zepelin. É o caso de “Tall Cool One”, do álbum “Now and Zen”, “Calling To You” e “I Believe”, do ótimo “Fate of Nations”, e também “Darkness, Darkness”, do trabalho mais recente “Dreamland”.

O critério de escolha das faixas passou bem longe do formato maiores sucessos, como o próprio Plant fez questão de explicar no texto do encarte que acompanha a coletânea.

E o resultado é uma coleção de canções que horas mostram uma forte influência do Led Zeppelin, como em “Tie Dye On The Highway”, horas partem para as “viagens” mais pessoais do vocalista e variam do clima “Anos Dourados” de “Sea Of Love” até a “world music” de “Heaven Knows”.

Se o primeiro disco é indicado para quem quer ter um bom panorama do que tem acontecido na carreira de Robert Plant depois do final do Led Zeppelin, o segundo disco é mais para caçadores de “pérolas”.

São ao todo 19 raridades, entre versões demo dos anos 60, lados B de singles, faixas os vivo, participações em trilhas sonoras e álbuns de outros artistas, enfim, de tudo um pouco.
Atenção especial para “You’d Better Run”, a faixa de abertura, com Plant fugindo dos agudos que se tornariam a marca registrada de sua carreira e cantando com voz mais grave, tentando soar como um bom e velho bluesman.

“Hey Joe” e “For What It’s Worth” sairam diretamente de uma demo da Band of Joy, gravada em 1967, e talvez tenham um sabor especial para os fãs do Led Zeppelin pois trazem John Bonham na bateria.

“Win My Train Fare Home” foi gravada ao vivo em Timbuktu, na África, em 2003, durante a mais recente tournê de Robert Plant e dá nome à coletânea.

Um trabalho imperdível, válido tanto para o colecionador que acha que já tem quase tudo do vocalista, como para quem quer conhecer melhor essa lenda viva que fez parte da História do Rock e continua na estrada, ainda surpreendendo o mundo com seu talento e musicalidade.

Adriana Maraviglia
@drikared

Confira as Faixas do CD “Sixty Six to Timbuktu”

Disco 1

1. Tie Dye On the Highway
2. Upside Down
3. Promised Land
4. Tall Cool One
5. Dirt In a Hole
6. Calling To You
7. 29 Palms
8. If I Were a Carpenter
9. Sea of Love
10. Darkness, Darkness
11. Big Log
12. Ship of Folls
13. I Believe
14. Little By Little
15. Heaven Knows
16. Song To the Siren

Disco 2

1. You´d Better Run
2. Our Song
3. Hey Joe
4. For What It´s Worth
5. Operator
6. Road To the Sun
7. Philadelphia Baby
8. Red For Danger
9. Let´s Have a Party
10. Hey Jayne
11. Louie, Louie
12. Naked If I Want To
13. 21 Years
14. If It´s Really Got To Be This Way
15. Rude World
16. Little Hands
17. Life Begin Again
18. Let the Boogie Woogie Roll
19. Win My Train Fare Home (live in Timbuktu)

Entre no Facebook e deixe seu comentário: