Star Trek – Um novo recomeço para uma franquia muito querida – Revista Eletricidade

Star Trek – Um novo recomeço para uma franquia muito querida

STAR TREK 2009 - FOTO: REPRODUÇÃO

Como um bom clássico, a série de TV produzida nos anos 60 reside no inconsciente coletivo como uma boa memória, uma lembrança familiar e reconfortante que sempre pode ser revisitada em boxsets de DVDs ou em suas nunca interrompidas reprises da TV.

Mas alguém lá em Hollywood achou que ainda existia espaço para algo que ainda não havia sido tentado, uma atitude perigosa, já que os clássicos são intocáveis por natureza, mas pelo que se vê nas telas, parece que valeu a pena arriscar.

A ação volta no tempo, em alguma data estelar do passado, a Nave Kelvin investiga uma tempestade de raios no espaço e é surpreendida por um ataque de uma nave romulana; em seu comando, o primeiro oficial George Kirk (Chris Hemsworth) percebe o inevitável e sacrifica a própria vida para salvar a tripulação, especialmente a esposa e o filho James Tiberius Kirk, que nasceu no meio da confusão.

Alguns anos mais tarde, depois de algumas cenas que mostram o jovem James como um adolescente fazendo a linha do rebelde sem causa, retomamos contato com o jovem Kirk na pele do ator Chris Pine, envolvido em mais confusão com cadetes da Frota Estelar, em um bar, enquanto tenta cantar a jovem Nyota Uhura (Zoe Saldana).

E aos poucos, durante o desenrolar da trama, vemos um a um todos os personagens da série clássica chegando à viagem inaugural da mítica USS Enterprise; McCoy (Karl Urban), Sulu (John Cho), Checov (Anton Yelchin) e Scotty (Simon Pegg), trazem para as novas telas o velho humor que era um dos maiores diferenciais da série.

Sei que na pele dos puristas surge neste ponto uma preocupação, mas ao que tudo indica a reação dos que têm ido conferir o filme nos cinemas têm sido positiva; os fãs têm recebido com entusiasmo a ideia da retomada dos personagens clássicos.

E ela foi muito bem feita, diga-se de passagem, a semelhança física entre o elenco jovem e os atores da série clássica é impressionante e o visual da produção também é caprichado.

Resta comentar o roteiro, que dentro do universo particularmente confuso da ficção científica precisava fazer sentido, afinal, a série clássica é famosa por ter até inspirado alguns livros científicos e os fãs dificilmente aceitariam uma explicaçãozinha qualquer; a ideia então foi a de criar uma realidade paralela, justificando o novo recomeço.

Pontos extras para o diretor JJ Abrams e para os roteiristas Roberto Orci e Alex Kurtzman que além de “costurarem” muito bem a retomada da ação, conseguiram captar perfeitamente a dinâmica dos personagens criados pelo mestre Gene Roddenberry.

A presença do ator Leonard Nimoy é mais um prêmio para os fãs, que com certeza estão inquietos aguardando pela inevitável sequência, já nos planos da produção.

Adriana Maraviglia
@drikared

Assista ao trailer de “Star Trek”:

 

Entre no Facebook e deixe seu comentário: