Segundo Hobbit é pura aventura – Revista Eletricidade

Segundo Hobbit é pura aventura

O HOBBIT 2 - A DESOLAÇÃO DE SMAUG - POSTERPeter Jackson fez novamente… como aconteceu com o segundo filme da saga “O Senhor dos Anéis – As Duas Torres”; esse a “Desolação de Smaug” também dá a impressão de ter tido suas aventuras condensadas e espremidas para caberem dentro de seus 161 minutos de duração.

O que espanta, é que na verdade, muito do que vemos na tela não saiu do livro do pequenino livro de Tolkien com suas trezentas e poucas páginas, mas da cabeça do time de roteiristas formado por Fran Walsh, Philippa Boyens, Peter Jackson e Guillermo del Toro, que se viu diante da tarefa de fazê-lo render 3 filmes com quase 3 horas de duração e talvez tenha exagerado um pouco na dose.

Mas se era esse o caso, por que então a correria? Todas as cenas de ação e, há muitas cenas de ação, são eletrizantes, com muitas batalhas, contra criaturas diversas, e acabamos sentindo falta dos necessários momentos de “respiro” ou “suspiro” que a beleza dos cenários da Terra Média nos proporcionou tantas vezes no decorrer da saga “O Senhor dos Anéis”.

E não que toda a adrenalina seja desprezível, a fuga dos anões, dentro de barris, corredeira abaixo, em meio a uma luta sangrenta entre elfos e orcs, tem algo de antológico, mas ainda, como em todas as batalhas remete àquela sensação familiar, a de estar vendo criaturas criadas por computador encenando o que parece ser o teaser de um bom videogame.

E falando em videogames, não dá para deixar de pensar neles, quando Legolas (Orlando Bloom), repetindo a exaustão seu surf em qualquer coisa/lugar, em incontáveis cenas, como algum truque especial que se acessa nos comandos de um videogame, apenas para conseguir passar por uma fase especialmente cabulosa de um jogo qualquer.

Talvez tentando fugir deste aspecto, o roteiro nos dá até uma nova personagem, a elfa Tauriel (Evangeline Lilly), sugerindo um triângulo amoroso entre ela, Legolas e o anão Kili (Aidan Turner). Acredito que desenvolverão melhor esta história paralela no terceiro filme, aliás, torço por isso, para tentar diminuir a sensação de estranheza.
Mas no meio da estranheza, dois pontos altos já quase no final de “A Desolação de Smaug”, enchem a tela, o visual arrebatador da soturna Cidade do Lago, e a grandiosidade de Erebor e seu tesouro, tornam as últimas cenas memoráveis.
E claro, o terrível dragão Smaug (Benedict Cumberbatch), prestes a mostrar a que veio, se engaja em uma longa (e divertida!) batalha verbal com Bilbo Baggins (Morgan Freeman), que eleva ainda mais nossas expectativas para o terceiro filme da trilogia, pena que ainda teremos que esperar pelo final de 2014.
Adriana Maraviglia
@drikared
 

 

 

Veja o vídeo de “I See Fire”, música tema de “O Hobbit 2 – A Desolação de Smaug”, com Ed Sheeran:

Entre no Facebook e deixe seu comentário: