Uma guerra íntima por poder em “A Favorita” – Revista Eletricidade

Uma guerra íntima por poder em “A Favorita”

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O diretor grego Yorgos Lanthimos, tem se especializado em contar histórias estranhas, em seu currículo “O Lagosta” e “O Sacrifício do Cervo Sagrado” são duas  coleções e tanto de estranhezas, mas desta vez a estranheza ficou distante e a ideia foi trazer uma história de personagens reais, que pode ter acontecido na Inglaterra, no início do século XVIII.

História real, mas bem obscura,  “A Favorita” é o filme mais comercial  da carreira de Lanthimos  até agora, contando com humor e drama como foi o reinado de  Anne  (Olivia Colman), a última da dinastia Stuart, uma rainha de  saúde  frágil  que, por isso,  quase   não participa da vida política de  seu reino, delegando suas decisões para Lady Sarah Churchill (Rachel Weisz),  que usa  seu poder para favorecer o partido  do primeiro ministro, de quem é aliada.

Até que  Abigail (Emma Stone),  uma prima de  Lady Sarah que perdeu a fortuna, busca trabalho  no  Palácio e  aos poucos vai  ganhando a atenção da rainha e com isso, também conquista o poder.

E o embate entre as três personagens passa a ser o  embate entre três atrizes extraordinárias que  dão um verdadeiro show de interpretação, em um cenário que  expõe os bastidores do poder da forma mais crua  e brutal  possível.

E mesmo sem estranhezas, Lanthimos  não abre mão do estilo, seja nos cenários deslumbrantes da  Hatfield House, nos belos figurinos que vestem as mulheres com roupas pretas e brancas e guardam as cores e excessos para os homens que se apresentam com perucas imensas e rostos excessivamente maquiados, como  verdadeiros pavões.

Além disso,  “A Favorita”  ousa na fotografia, Robbie Ryan, o diretor  de fotografia, abusa de lentes grande-angulares que distorcem as paredes do palácio e ajudam a dar a impressão de que estamos olhando tudo através do buraco da fechadura, enquanto segredos íntimos se descortinam diante de nossos olhos.

“A Favorita” recebeu  10 indicações ao Oscar:  Melhor Edição,  Fotografia, Roteiro Original, Direção de Arte, Figurinos, Direção, Atriz Coadjuvante (Rachel Weiz e Emma Stone), Atriz (Olivia Colman) e Melhor Filme. No Globo de Ouro, “A Favorita” recebeu  5 indicações e levou apenas o prêmio de Melhor Atriz (Olivia Colman) .

Adriana Maraviglia
@drikared


Entre no Facebook e deixe seu comentário: