Já se vão quase 10 anos, desde “Melinda Melinda” de 2004, que Woody Allen lembrou-se que existia um mundo fora de Manhattan, tirou a poeira da capa do