Último capítulo da Saga Crespúsculo chega aos cinemas – Revista Eletricidade

Último capítulo da Saga Crespúsculo chega aos cinemas

SAGA CREPÚSCULO AMANHECER PARTE 2O aguardado último capítulo, aquele que leva não só os fãs, mas quase todo mundo que tem alguma curiosidade pela série aos cinemas, finalmente está em cartaz e com a função de não só fechar a adaptação dos best-sellers de Stephenie Meyer, como também a responsabilidade de dar ao público e a crítica, os parâmetros finais para analisar e classificar tudo o que aconteceu nos cinco filmes da saga.

E a história começa exatamente onde o capítulo anterior terminou; Bella (Kristen Stewart) é salva da morte por seu amor vampiro Edward (Robert Pattinson), após dar a luz a Renesmee (Mackenzie Foy), uma estranha criança que cresce muito rapidamente por ser metade humana, metade vampira.

Enquanto Bella tenta se acostumar com seus novos poderes extraordinários, o poderoso clã dos Volturi quer aplicar sua particular forma de justiça no clã Cullen por acreditar que Renesmee é uma criança imortal, o que tornaria todo o clã condenado a morte, já que é proibido transformar uma criança em vampira.

Os Cullen buscam o apoio de sua espécie e apresenta-se um verdadeiro exército de apoiadores, todos com poderes extraordinários, quase um time de X Men que aguarda ansiosamente a chegada dos Volturi para enfrentá-los em uma grande batalha… e bem… o desfecho que todos esperavam desde a primeira cena da saga.

Não é interessante entrar em muitos detalhes, mas o filme cresce em interesse no exato momento em que começa a fugir um pouco da história redondinha demais de Meyer para ousar a ser um pouco menos morno adicionando finalmente alguma emoção, um pouco antes de voltar para o seu “normal”.

Uma decisão corajosa do diretor Bill Condon, que também assinou a primeira parte e colocou algum humor neste último capítulo melhorando um pouco a relação dos não fanáticos com toda a saga ao fazê-lo; as expressões e gritinhos de Aro (o genial Michael Sheen), por exemplo, sozinhos, já fazem começar a valer o ingresso.

Talvez, se durante a saga, mais momentos dessa liberdade tivessem aparecido, os filmes criassem um interesse um pouco maior, com personagens mais bem construídos e tramas um pouco mais elaboradas, e mesmo baseando-se na fraca mitologia de Meyer, Crepúsculo pudesse até transcender seu público alvo de adolescentes românticas sem muita coisa na cabeça. Mas não aconteceram, se levaram a sério demais e perderam a chance… uma pena…

Adriana Maraviglia
@drikared

 

Confira o trailer de “Saga Crepúsculo: Amanhecer – parte 2”:

Entre no Facebook e deixe seu comentário: