A música dos Beatles ajuda a dar graça a “Yesterday” – Revista Eletricidade

A música dos Beatles ajuda a dar graça a “Yesterday”

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Uma das funções mais importantes da Arte e do Cinema, como uma forma de Arte, é a de instigar, lançar no ar as perguntas para tentar de algum jeito respondê-las ou  contribuir para que o público as responda.

No caso específico de “Yesterday”, novo filme do cineasta Danny Boyle, que chega amanhã aos cinemas brasileiros, a pergunta feita é: E se os Beatles nunca tivessem existido?

O roteiro de Richard Curtis propõe esse exercício de imaginação contando a história de Jack Malik (Himesh Patel), um empregado de supermercado que  sonha viver da música, mas ainda está lutando para conseguir a projeção necessária.

Sua música faz sucesso só entre seu grupo de amigos, especialmente com Ellie Appleton (Lilly James) que tenta ajudá-lo atuando como sua empresária,  mas sem conseguir ir muito além dos pubs e festivais locais. 

E quando Jack está prestes a desistir da música, ele sofre um acidente, no momento exato em que o mundo inteiro sofre um apagão e voilà, os Beatles nunca existiram e ele, a única pessoa que se lembra de sua existência, pode usar seu catálogo musical maravilhoso a vontade para alcançar o sucesso que sempre sonhou. 

Infelizmente o questionamento para por aí. Sem disposição para aprofundar-se muito no legado cultural e comportamental que praticamente fez não só a música, mas a cara do mundo ocidental mudar completamente pela sua influência, Curtis prefere brincar “no raso” e fazer rir da completa inabilidade de Jack para lidar com sua fama repentina e com a indústria da música dos dias de hoje que apenas quer embalá-lo e atirá-lo no mercado como um bom novo produto. 

Apesar de trilhar um caminho sem muitos compromissos, a comédia de Boyle ainda conta com a força irresistível da música dos Beatles a seu favor e, ela, aliada a uma cena que não posso revelar aqui para não estragar a experiência de ninguém, conseguem emocionar e nos levam a questionar: E se Danny Boyle e Richard Curtis tivessem se permitido ir mais fundo na questão que levantaram?

Adriana Maraviglia
@drikared

Entre no Facebook e deixe seu comentário: