“Meu Pai”: um mergulho perturbador na desorientação de um homem

Com seis indicações ao Oscar, o filme “Meu Pai” está chegando às plataformas digitais e, ainda em meio a este momento de muitas incertezas, pode também chegar às salas de cinemas nas cidades em que elas estão abertas. 

O dramaturgo francês Florian Zeller adaptou sua peça homônima para o cinema com a colaboração do roteirista Christopher Hampton e, em sua estreia nos longas, fez um dos melhores filmes da temporada.

Anthony (Anthony Hopkins) é um homem de 81 anos que recusa a ajuda dos cuidadores que sua filha Anne (Olivia Colman) contrata. Mas aos poucos passa a desconfiar de sua própria noção de realidade quando situações cada vez mais estranhas passam a cercá-lo. 

O diretor optou por carregar os espectadores dentro da percepção de Anthony e não é difícil sentir sua desorientação e passar a imaginar alguma conspiração digna de um filme de terror. 

O resultado é perturbador e o trabalho de Hopkins e de Olivia Colman  vai da sutileza dos pequenos gestos e olhares à demonstração de  fragilidade e agressividade conforme a espiral de decadência mental de Anthony vai avançando.  

Vale prestar atenção na genial edição e na direção de arte que junto com o trilha sonora conseguiram entregar uma obra muito bem acabada que reflete  com perfeição toda a desorientação de Anthony. 

“Meu Pai” recebeu seis indicações ao Oscar 2021: melhor filme, melhor ator (Anthony Hopkins), melhor atriz coadjuvante (Olivia Colman), melhor montagem, melhor design de produção  e melhor roteiro adaptado.  

O filme estreia no dia 9 de abril, nas plataformas digitais, Now, Itunes (Apple TV) e Google Play disponível para compra, e a partir do dia 28 de abril, ficará também disponível também para aluguel, nessas plataformas já citadas e também na Sky Play e na Vivo Play. 

Adriana Maraviglia

Assista ao trailer de “Meu Pai”:

Compartilhe: