“Monstro”: a luta de um garoto para fugir do destino que o racismo quer dar a ele

O roteiro de “Monstro”, que chegou no último final de semana à grade da Netflix é baseado no livro homônimo de Walter Dean Myers, lançado em 1999, que conta uma história atualíssima sobre a luta das pessoas negras para enfrentar o racismo estrutural dentro da sociedade americana.

O jovem Steven Harmon (Kelvin Harrison Jr.) é um garoto negro de 17 anos, que vive no Harlem com os pais (Jeffrey Wright e Jennifer Hudson), está matriculado em uma boa escola em Manhattan e tem um futuro brilhante pela frente, até, repentinamente ir parar na prisão e precisa enfrentar um sistema legal pronto para destruir as chances e o futuro de pessoas como ele.

“Monstro” é o longa de estreia de Anthony Mandler, que tem uma vasta experiência em videoclipes e no mundo dos comerciais de TV. Em seu primeiro filme, o diretor tem uma atenção especial a forma sobre o conteúdo.

O filme é construído quase como um clipe musical, e a história, que está sendo contada pelos olhos de Steven, ganha um extra de poesia por ele ser um garoto que alimenta o sonho de um dia cursar a faculdade de cinema.

Contado em primeira pessoa, vemos a ação indo e voltando no tempo, até culminar na inevitável sala do tribunal, onde Steven tem a ajuda preciosa de sua advogada Maureen O’Brien (Jennifer Ehle) e precisa enfrentar uma sociedade que, ainda, o considera culpado simplesmente pela cor de sua pele.

Contando com um bom elenco que entregou interpretações memoráveis, “Monstro”   cumpre muito bem sua função social, neste momento em que o racismo se tornou um comportamento inaceitável em todo o mundo e também consegue ser visualmente belo o bastante para servir de exercício estético. Pelo primeiro filme, já dá para cravar que ainda podemos esperar muito mais de Anthony Mandler. 

Adriana Maraviglia
@drikared

Assista ao trailer de “Monstro”:

Compartilhe: