“Pedro e Inês” reimagina história de amor real

Chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (08), “Pedro e Inês”,  uma co-produção entre Portugal, Brasil e França que adapta para o cinema o livro “A Trança de Inês” de Rosa Lobato de Faria.

O roteiro, por sua vez, traz a tela uma das maiores histórias de amor, a tragédia de Dona Inês de Castro, que no século XIV é a dama de companhia de Constança, a futura rainha de Portugal, mas se torna a amante de Pedro, o príncipe herdeiro do trono, e acaba assassinada por ordem do rei Afonso, pai do príncipe.

Alguns anos depois da morte, o cadáver de Inês é desenterrado para assumir o trono ao lado de Pedro I que a proclama rainha.

Uma história de amor real com elementos tão surpreendentes que se transformou em lenda e foi eternizada em “Os Lusíadas”, o épico poema de Luis Camões sobre o povo português.

O que o novo filme reimagina é que este amor tão trágico do passado, segue se repetindo como um destino sem escapatória nas próximas vidas de cada um de seus personagens.

Com Pedro (Diogo Amaral) e Inês (Joana de Verona) encabeçando o elenco, o público vivencia a história de amor em três épocas diferentes, no século XIV, quando ela de fato aconteceu, no tempo presente, quando Pedro e Inês se reencontram em uma empresa de arquitetura e até em um futuro distópico, onde as pessoas vivem em tribos, no meio da floresta, sob regras rígidas que parecem ter a intenção de manter a pequena comunidade viva após algum evento catastrófico ter dizimado a maior parte da humanidade.

“Pedro e Inês” é o terceiro filme de Antônio Ferreira que também adaptou o roteiro e participou em 2019, da 43ª edição da Mostra de Cinema de São Paulo.

Uma obra surpreendente, com uma bela fotografia e uma direção de arte atenta aos detalhes. O filme conta também com um trabalho bastante sólido dos atores onde Diogo Amaral e João Lagarto, que interpreta Afonso, o pai de Pedro, são os maiores destaques.

Adriana Maraviglia
@drikared

Assista ao trailer de “Pedro e Inês”:

Compartilhe: